Ouropretano mostra seu talento na Galeria da Casa dos Contos

11/12/2012 às 16:00 por Atualizado dia 12/12/2012 às 00:12

Curta no www.facebook.com/jornalvozativa
Siga no twitter.com/jornalvozativa

Um professor de matemática, formado técnico em metalurgia, cursou cinco períodos de geologia, concluiu matemática na Universidade Federal de Ouro Preto e que se enveredou com mais afinco nas artes somente há três anos. O artista plástico Wander Bartolomeu Estevão dos Santos, (pronuncia-se Uander), expõe suas telas na galeria do Museu Casa dos Contos de Ouro Preto, a partir de 13 de dezembro.

Natural de Ouro Preto, Bartolomeu, nome usado pelo artista, leva, através de seu trabalho, para conterrâneos e turistas, seu jeito peculiar de mostrar cenas da sua terra natal na maioria de suas obras.

Morador do bairro cabeças durante toda a sua infância e juventude, Bartolomeu conta que, sempre envolto por obras de arte no seu ambiente familiar, principalmente quando seu irmão, Dércio Estevão, criava com mais frequência e seu outro irmão também artista, Carlos Estavão, o Cacau ex-vereador na cidade, ainda dava suas pinceladas, adquiriu muito de sua experiência artística também dessa convivência.

Ele não deixa de se enveredar pela arte e seus estilos, pois, está sempre pesquisando e se aprofundando naquilo que mais gosta de fazer. Na sua primeira exposição o público poderá apreciar vinte e sete obras, entre elas vinte e cinco óleos sobre tela e ainda duas pirografias.

“Sou autodidata e procuro sempre assistir aos vídeos disponíveis de outros artistas e conhecê-los de alguma forma para poder aprender outras técnicas, além de meus irmãos que me passam muita coisa.

Observo o que eles fazem e tento por em prática, porém sempre tento trazer o mais próximo do meu estilo. Não gosto de defini-lo por mim mesmo, mas, dizem que é um estilo acadêmico com um pouco de semirealismo” afirma Bartolomeu.

Milton Passos e Chiquitão são somente alguns dos nomes de ouropretanos citados por Bartolomeu como inspiração, além de Wilson Vicente, José Rosário e José Ricardo, nomes apreciados pelo artista e que também servem de inspiração estudo para seu trabalho.

Sobre a pirografia, Bartolomeu conta que foi por acaso sua iniciação nessa arte. Como um artista que pesquisa e se interessa frequentemente pelas técnicas, inovou e usou tinta a óleo juntamente com o pirógrafo (aparelho usado para queimar partes do material a ser trabalhado, que pode ser madeira, couro ou pano, além de outros).

Entre os agradecimentos pela realização da sua primeira exposição, Bartolomeu lembra que tudo teve início através de sua mãe, Agostinha e sua irmã, Ivete, que ao passarem defronte a Galeria da Casa dos Contos, na Rua São José e sempre observarem ali trabalhos de vários artistas, resolveram perguntar sobre as possibilidade de a exposição acontecer ali. Outra pessoa também lembrada por Bartolomeu é o co-gestor da Casa dos Contos, Leonardo Francisco Martins Lopes. É claro que o artista não deixaria de agradecer outra grande incentivadora do seu trabalho, sua esposa, Zilma Shimitt, com a qual é casado há seis anos.

Serviço

Exposição: Bartolomeu em Óleo Sobre Tela
Abertura: 13 de dezembro, quinta-feira
Encerramento: 31 de dezembro
Local: Antiga Sala Multimeios da Casa dos Contos de Ouro Preto (espaço oposto ao Salão Principal)
Horário: Terça a sábado de 10 às 18 horas

Clique nas fotos para ampliá-las


Comente com o facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *